Logo

Logo

HOMEOPATIA – TERAPIA DO TERRENO

11/19/2015, por Farmacia Homeovitael

 

Nascemos, crescemos, reproduzimo-nos e morremos. Esse é o ciclo da vida, porém nenhum ser vivo existe somente com essa finalidade, ou, diga-se de passagem, sem finalidade. Cada ser vivo, por mais rudimentar que pareça, tem outros papéis no universo do qual faz parte. Todos os seres vivos, desde o mamífero, como o cavalo, que durante muito tempo, serviu de meio de transporte, de máquina de guerra, sendo hoje usado inclusive como terapia para o ser humano (a equoterapia), até os insetos, como a abelha, contribuinte da polinização de várias espécies vegetais, também as plantas verdes, dotadas de clorofila, indispensável para a fotossíntese, esta, vital para quem respira oxigênio. Assim, nós os seres humanos, temos além da vida vegetativa, a vida racional, a emocional, até a espiritual, sendo os três últimos atributos o que nos defere dos animais.

A homeopatia, terapia alternativa à medicina convencional (a alopatia), não se constitui em outra medicina, mas em outra alternativa terapêutica, reconhecida como especialidade médica, na década de 80, pela Associação Médica Brasileira. Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a homeopatia não é uma terapia milenar, pois tem pouco mais de 200 anos, tendo, o primeiro escrito homeopático sido publicado em 1796, pelo pai da medicina homeopática, Dr. Samuel Hahnemann, médico alemão. Esta ciência quântica, pois a homeopatia trabalha com energias sutis, diferente do que muitos acreditam e apregoam, não se baseia em chás, infusões, plantas “in natura”, mas em um processo de abordagem particular do paciente, onde explora, além de suas queixas físicas, mentais e emocionais, a sua fisiologia em estado de saúde, como por exemplo, se o paciente é friorento ou calorento, seus desejos e aversões alimentares, as características do seu sono e dos seus sonhos, além de muitas outras abordagens, com a finalidade de individualizar o paciente, que é de fato, único. Todo o processo semiológico, objetiva encontrar um medicamento, o qual é preparado pelo processo específico da farmácia homeopática, que mais se assemelhe às características do paciente, em estado de saúde e de doença.

A medicina homeopática propõe-se a curar o doente e não a doença, pois o que se quer é que o paciente se restabeleça, e não só que se livre da doença que motivou a consulta, e mais que isso, se pretende ainda, que o

paciente modifique o seu modo de pensar e de viver inadequado, consigo mesmo e em sociedade, como, por exemplo, no dizer da lei de cura de Paschero, que enuncia: “O paciente estará curado, quando passar do estado de egoísta, em que sempre viveu para um estado de altruísta”; na mesma esteira, já o pai da homeopatia, Dr. Hahnemann havia enunciado, no parágrafo nove do Organon da Arte de Curar: “No estado de saúde, a força vital de natureza espiritual (autocracia), que dinamicamente anima o corpo material (organismo), reina com poder ilimitado e mantém todas as partes em admirável atividade harmônica, nas suas sensações e funções, de maneira que o espírito dotado de razão, que reside em nós, pode livremente dispor desse instrumento vivo e são para atender aos mais altos fins da nossa existência” (Hahnemann in Organon da Arte de Curar § 9, tradução da 6° edição alemã, 2002).

José da Silva Sobrinho é médico homeopata, com título de especialista em homeopatia, pela Associação Médica Brasileira.